Pesquisa avançada
Início - Grupo Parlamentar - Atual Legislatura - Atividades - Intervenções na Ar (Escritas)
 
 
Intervenções na Ar (Escritas)
Partilhar

|

Imprimir página
06/01/2016
Insuficiências nos hospitais e outros problemas no Serviço Nacional de Saúde
Intervenção do Deputado José Luís Ferreira
Insuficiências nos hospitais e outros problemas no Serviço Nacional de Saúde
Assembleia da República, 6 de janeiro de 2016

Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, Sr. Deputado João Ramos, começo por saudá-lo por ter trazido para discussão um assunto tão sério, tão grave e tão atual como é a situação do Serviço Nacional de Saúde e do acesso dos portugueses aos cuidados de saúde. Mas o Sr. Deputado não se limitou a trazer o problema à discussão e fez mais, pondo também o dedo na ferida. E pôr o dedo na ferida significa apontar responsabilidades pelo estado em que se encontra a saúde em Portugal.
Certamente que todos nós nos lembramos das palavras do Ministro da Saúde do anterior Governo PSD/CDS quando dizia que o Governo encerrava serviços de saúde para melhorar o acesso dos portugueses aos cuidados de saúde. Pois bem, hoje a dimensão do erro de cálculo do Governo PSD/CDS é evidente para todos, inclusivamente para os que, na altura, concordavam com esta doutrina do anterior Governo de que encerrava serviços para melhorar o acesso aos cuidados de saúde por parte dos portugueses.
Aliás, a política de saúde do anterior Governo PSD/CDS pode ser sintetizada em quatro pontos: primeiro, cortes cegos numa área tão sensível como a área da saúde; segundo, encerramento de serviços de saúde por todo o País; terceiro, uma indisfarçável preocupação com os interesses do setor privado na área da saúde; quarto e último, um esforço claro no sentido de empurrar os custos da saúde para o utente.
Ora, os resultados aí estão. São os hospitais à beira da rutura, as urgências com esperas superiores a 12 horas, e, ainda longe do pico da gripe, os serviços já estão a ter dificuldades de resposta. Faltam recursos humanos, faltam camas de internamento, que estão, aliás, a obrigar a transferir doentes de hospital para hospital, numa verdadeira roda-viva, que mais parece a roda da morte. É este o resultado de quatro anos de governação do PSD e do CDS.
Sr. Deputado João Ramos, hoje, de facto, há sinais de mudança na forma de olhar para a saúde, como, aliás, mostra o anúncio da construção do hospital do Seixal, que também se deve à luta das populações e dos autarcas, que, de forma justa, muito lutaram por esta reivindicação.
Sr. Deputado João Ramos, queria perguntar-lhe o que é que, na sua perspetiva, hoje mais se impõe, em termos de urgência, para que o Estado garanta o acesso aos cuidados de saúde por parte dos portugueses, aquilo que, no mínimo, é necessário fazer para compor o que foi estragado pelo anterior Governo PSD/CDS.
Voltar