Pesquisa avançada
Início - Grupo Parlamentar - Atual Legislatura - Atividades - Intervenções na Ar (Escritas)
 
 
Intervenções na Ar (Escritas)
Partilhar

|

Imprimir página
11/10/2016
Intervenção e valorização da Estrada Nacional 2 (DAR-I-11/2ª)
Intervenção do Deputado José Luís Ferreira - Assembleia da República, 11 de outubro de 2016

Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: Como já aqui foi referido hoje, a estrada nacional n.º 2 é a única estrada portuguesa que atravessa o País de norte a sul. São mais de 700 km de percurso, atravessando 11 distritos e mais 30 dos nossos concelhos.

A estrada nacional n.º 2 é, sobretudo, a estrada das culturas, das especificidades das nossas terras, das nossas localidades rurais e também da nossa história, mas deve ainda ser encarada como um esforço, um desbravar de caminhos, de atalhos para o desenvolvimento do interior do País. A importância desta estrada continua a ser fundamental do ponto de vista da mobilidade, uma vez que por ela circulam não só veículos motorizados como também bicicletas e possui, ainda, todas as características para aí se poder fomentar e implementar percursos pedonais.

Se há estrada que, para além da importância que reveste em termos de mobilidade para as populações, ainda possui potencialidades para promover motivos turísticos cada vez mais procurados, como seja o turismo termal, o turismo da natureza, o turismo rural, a procura de locais onde se possa circular de forma sustentável, como circular de bicicleta ou até a pé, essa é a estrada nacional n.º 2.

A crescente procura do turismo, que não passa apenas pela visita às grandes cidades, é cada vez mais evidente, o que nos convoca a procurar formas alternativas de potenciar o que temos em termos de turismo. Não é preciso inventar nada porque temos muitas potencialidades por descobrir e por explorar.

Saibamos nós olhar para elas como verdadeiras potencialidades, como produtos turísticos de altíssima qualidade. Saibamos nós estar atentos à crescente consciência ambiental e ecológica, que tende a generalizar-se pelo mundo, e à importância que representa no conjunto das variáveis quando os turistas decidem visitar um País.

O riquíssimo património natural que envolve grande parte do percurso da estrada nacional n.º 2 — rios, serras, montanhas, paisagens — merece ser visto e visitado pelo mundo sempre numa perspetiva de turismo sustentável e amigo do ambiente e da natureza, sempre numa perspetiva de um turismo ecologicamente equilibrado, capaz de não comprometer o futuro desses recursos naturais. Mas o percurso da estrada nacional n.º 2 oferece-nos, ainda, um valiosíssimo património construído — castelos, conventos, igrejas e outros monumentos — e, sobretudo, oferece-nos um singular quadro da nossa cultura e das especificidades de cada região em termos, por exemplo, culturais ou gastronómicos.

Do Algarve a Trás-os-Montes há um mundo de mundos com interesse turístico que é necessário potenciar e que também tem de ser olhado não apenas como produto turístico mas como potenciador de um sério combate às assimetrias regionais e como fator de desenvolvimento regional. Um trabalho que deve envolver não só o Governo central mas também as entidades regionais de turismo e, naturalmente, as autarquias locais.

É, portanto, necessário olhar para esta estrada como uma potencialidade a ser conservada e dinamizada, não só como produto turístico, mas também e, principalmente, como instrumento de mobilidade das populações.
Voltar